1 de julho de 2011

O SEGREDO DA ROSA.


“A razão humana era má e só seria desejável perder-se no nada divino.”


Se você é amante do cinema e adora filmes instigantes e misteriosos, não deixe de assistir ao o filme O nome da Rosa baseado no romance mesmo nome do escritor internacionalmente conhecido Umberto Eco.
É uma história ocorrida na Idade Média, no ano de 1327, em um mosteiro italiano, no qual estava acontecendo uma série de assassinatos.
A partir daí, chega para investigar esses crimes o frade franciscano William de Baskerville, interpretado pelo ator Sean Connery, que traz consigo seu ajudante, Adso van Melk, interpretado pelo ator Christian Slater.
Alguns acreditam que os assassinatos são obra do demônio, mas William de Baskerville não compartilha dessa ideia. Com a união de provas, ele descobre segredos guardados a sete chaves pela Igreja Católica, que guarda livros de alto teor artístico, na biblioteca labirintesca.
Dessa forma, o monge utiliza-se da ciência e, consequentemente, da razão para dar solução aos crimes do mosteiro o que desagradava muito a santa inquisição, na figura do inquisidor Bernardo Gui que realmente existiu e foi  considerado um dos mais severos inquisidores.
O filme é composto de ação, suspense e um cenário sangrento sobre a história da humanidade. Idade das Trevas, em que a Igreja dominava todo o saber e que se deixava na ignorância todos os outros.
Certamente uma narrativa fantástica resultaria em um filme espetacular que mostra em detalhes a vida na Idade Média, de todo o poder e inquestionável ação da igreja, além de sua influência na vida das pessoas.
Também nos apresenta a real função do conhecimento tão bem utilizado pelo personagem principal que aliado a técnica, antecipa ações do ser humano que hoje é capaz de vencer todas as misérias do mundo, até criar uma era de grande prosperidade material e de completa felicidade natural.
Para os teocentristas descritos e visualizados na produção cinematográfica, o mundo era um lugar muito perigoso e irredimível por ser obra de um Deus perverso, diferente da divindade.

Resenha escrita por Mariana Letícia Silva, Mikael Rodrigues, Mírian Andrade e Rayanna Rodrigues, alunos do 1º ano do curso de Informática da EEEP Elsa Maria Porto Costa Lima.
Fonte da imagem:http://tootmind.blogspot.com/2009/10/alem-do-segredo.html

2 comentários:

  1. Gerte vamos ler, sei que voçês acham chato mas não é assim !

    Mikael rodrigues informática 1

    ResponderExcluir
  2. Vamos lê galera pode NÂO ser chato, pelo contrario ira trazer novos conhecimento. vamos vamos


    Mayanne Lima
    informática 1º ano

    ResponderExcluir

A menina de Goiás

       Saudações literárias, turm@ que acompanha o blog Diário Virtual de Leitura!       Após um período de ócio produtivo, o bl...