20 de fevereiro de 2016

Ao Grande Mestre, Umberto Eco


      Ao grande mestre Umberto Eco (1932- 2016), deixamos nosso registro no blog Diário Virtual de Leitura através de um fragmento de uma de suas mais conhecidas obras: "Acredito que aquilo em que nos transformamos depende do que nossos pais nos ensinam em pequenos momentos, quando não estão tentando nos ensinar. Somos feitos de pequenos fragmentos de sabedoria." - in O Pêdulo de Focault.

1 de fevereiro de 2016

Ô abre alas que fevereiro chegou!



Saudações carnavalescas, turm@ que acompanha o blog Diário Virtual de Leitura! Fevereiro chegou e com ele as festas mominas. O país se prepara todo para o feriado mais esperado, mas você sabia que muito do nosso carnaval tem origem nas festas religiosas trazidas pelos portugueses? É isso mesmo! Durante os dias que antecedem a festa do Carnaval, nós, aqui do blog, iremos publicar algumas brincadeiras do período com texto adaptado do site http://mundoestranho.abril.com.br. Vamos para a folia?
Em seus primórdios, no século XVII, o Carnaval do Brasil não tinha música nem dança, brincava-se o entrudo, herança da colonização portuguesa. É daí que veio o costume das "guerras de água", no caso do Nordeste o conhecido “Mela-mela”. Mas a artilharia daqueles tempos, muitas vezes, era mais pesada, com direito não só a baldes e latas d’água, como também a lama, laranjas, ovos e limões-de-cheiro pequenas bolinhas de cera fina recheadas com água e outras substâncias. Hoje no carnaval de rua reina os “sprays” que simulam a neve, até parece que alguém quer brincar na neve, não é mesmo?
Outra tradição do Carnaval é o hábito de homens se vestirem com trajes femininos. Há registros do transformismo na folia de rua desde o início do século XX. "A explicação está na própria psicologia da festa, um espaço de inversão, em que se busca ser exatamente o que não se é no resto do ano", diz a filóloga Rachel Valença, diretora do Centro de Pesquisas da Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio.
As marchinhas carnavalescas deram o tom da festa entre as décadas de 1930 e 1950. Mas o ritmo surgiu ainda no final do século XIX. "Ó Abre Alas" é considerada a primeira canção escrita especialmente para um bloco de Carnaval. A "música para dançar" foi composta pela maestrina Chiquinha Gonzaga, em 1899, para o bloco carnavalesco Rosa de Ouro, do Andaraí, no Rio de Janeiro. Veja a seguir o “hit” carnavalesco que ainda anima dos foliões de todas as idades na versão de remix bem contemporânea com funk e pancadão eletrônico.

 Fonte: https://www.youtube.com/results?search_query=%C3%B4+abre+alas

A menina de Goiás

       Saudações literárias, turm@ que acompanha o blog Diário Virtual de Leitura!       Após um período de ócio produtivo, o bl...