30 de junho de 2013

Futebol e Poesia

     Salve, salve, amantes do futebol brasileiro que seguem o blog Diário Virtual de Leitura!
    A Copa das Confederações tem seu fim marcado hoje pelo jogo entre Brasil e Espanha no estádio do Maracanã no Rio de Janeiro.
    Considerando o futebol como esporte nacional, o blog resolve postar o poema intitulado Futebol de Carlos Drummond de Andrade para que nossos seguidores registrem em seus comentários as expectativas e as impressões quanto ao evento esportivo que serviu de teste para a seleção brasileira.

Futebol

Futebol se joga no estádio?
Futebol se joga na praia, 

futebol se joga na rua,
futebol se joga na alma.
A bola é a mesma: forma sacra
para craques e pernas-de-pau.
Mesma a volúpia de chutar
na delirante copa-mundo
ou no árido espaço do morro.
São vôos de estátuas súbitas,
desenhos feéricos, bailados
de pés e troncos entrançados.
Instantes lúdicos: flutua
o jogador, gravado no ar
— afinal, o corpo triunfante
da triste lei da gravidade.

 
(do livro: Poesia errante, 1988)

26 de junho de 2013

Bola na rede, olhos meus!

      Saudações patriotas, turma que acompanha o blog Diário Virtual de Leitura!
     O país vem acompanhando nos últimos dias os jogos da Copa da Confederações, evento que já recebeu postagem aqui no blog. Por isso revirando nosso baú de produções dos nossos colaboradores, encontramos este texto de Leise Rodrigues, já conhecida por nós que acompanhamos o blog. 
    O texto registra de forma poética uma situação atípica para uma partida de futebol.Acompanhemos a leitura do texto e, em seguida, registremos  nos comentários as sensações que sentimos ao torcer pelo nosso país durante uma partida de futebol.
Bola na rede, olhos meus!

         Inesquecível. Aquele dia foi inesquecível!
O campo ferido, a bola chorando, os pés doentes. O goleiro parado fazendo gestos de cavalheirismo para as damas.
O dia estava nublado, sem sol e as nuvens apareciam muito cinzas, tímidas.
De repente um desarme: bola no meu pé. Driblei um, driblei dois, depois, bola na rede.
Olhei para as mesas, e uma dama roubou minha atenção. Olhos azuis, o céu não apareceu para os outros, mas para mim, fez uma apresentação particular.
Olhos meus, aqueles olhos são meus!

20 de junho de 2013

Mafalda e o mundo

     Salve, salve, turma que acompanha o blog Diário Virtual de Leitura!
    A menina mais levada da breca do mundo das tirinhas retorna ao blog para levar-nos a reflexão. Após os últimos acontecimentos vividos em nosso país, mediante protestos, reivindicações coletivas e movimentos populares em prol ao melhor desenvolvimento da nação, a tirinha de Mafalda pode resumir muitas de nossas indagações, questionamentos e (in)certezas.
   Reflitamos com a sábia pequenina e comentemos nossas impressões sobre os últimos acontecimentos registrados em nosso país.

www. google. com. br/images

16 de junho de 2013

"Recordar é viver!"

      Saudações literárias, turminha que segue o blog Diário Virtual de Leitura!
     Recordar é sempre importante, por isso a postagem de hoje remete-nos a recordação dos momentos importantes e singelos da vida. 
      O texto de Antônio Prata intitulado Recordações traduz um diálogo do cotidiano de um motorista de táxi e seu passageiro. Leiamos o texto e a seguir reflitamos sua mensagem e boa semana a tod@s!
 Recordações
"Hoje a gente ia fazer 25 anos de casado", ele disse, me olhando pelo retrovisor. Fiquei sem reação: tinha pegado o táxi na Nove de Julho, o trânsito estava ruim, levamos meia hora para percorrer a Faria Lima e chegar à rua dos Pinheiros, tudo no mais asséptico silêncio, aí, então, ele me encara pelo espelhinho e, como se fosse a continuação de uma longa conversa, solta essa: "Hoje a gente ia fazer 25 anos de casado".
Meu espanto, contudo, não durou muito, pois ele logo emendou: "Nunca vou esquecer: 1º de junho de 1988. A gente se conheceu num barzinho, lá em Santos, e dali pra frente nunca ficou um dia sem se falar! Até que cinco anos atrás... Fazer o que, né? Se Deus quis assim...".
Houve um breve silêncio, enquanto ultrapassávamos um caminhão de lixo e consegui encaixar um "Sinto muito". "Obrigado. No começo foi complicado, agora tô me acostumando. Mas sabe o que é mais difícil? Não ter foto dela." "Cê não tem nenhuma?" "Não, tenho foto, sim, eu até fiz um álbum, mas não tem foto dela fazendo as coisas dela, entendeu? Que nem: tem ela no casamento da nossa mais velha, toda arrumada. Mas ela não era daquele jeito, com penteado, com vestido. Sabe o jeito que eu mais lembro dela? De avental. Só que toda vez que tinha almoço lá em casa, festa e alguém aparecia com uma câmera na cozinha, ela tirava correndo o avental, ia arrumar o cabelo, até ficar de um jeito que não era ela. Tenho pensado muito nisso aí, das fotos, falo com os passageiros e tal e descobri que é assim, é do ser humano, mesmo. A pessoa, olha só, a pessoa trabalha todo dia numa firma, vamos dizer, todo dia ela vai lá e nunca tira uma foto da portaria, do bebedor, do banheiro, desses lugares que ela fica o tempo inteiro. Aí, num fim de semana ela vai pra uma praia qualquer, leva a câmera, o celular e tchuf, tchuf, tchuf. Não faz sentido, pra que que a pessoa quer gravar as coisas que não são da vida dela e as coisas que são, não? Tá acompanhando? Não tenho uma foto da minha esposa no sofá, assistindo novela, mas tem uma dela no jet ski do meu cunhado, lá na Guarapiranga. Entro aqui na Joaquim?" "Isso."
"Ano passado me deu uma agonia, uma saudade, peguei o álbum, só tinha aqueles retratos de casório, de viagem, do jet ski, sabe o que eu fiz? Fui pra Santos. Sei lá, quis voltar naquele bar." "E aí?!" "Aí que o bar tinha fechado em 94, mas o proprietário, um senhor de idade, ainda morava no imóvel. Eu expliquei a minha história, ele falou: Entra'. Foi lá num armário, trouxe uma caixa de sapatos e disse: É tudo foto do bar, pode escolher uma, leva de recordação'."
Paramos num farol. Ele tirou a carteira do bolso, pegou a foto e me deu: umas 50 pessoas pelas mesas, mais umas tantas no balcão. "Olha a data aí no cantinho, embaixo." "1º de junho de 1988?" "Pois é. Quando eu peguei essa foto e vi a data, nem acreditei, corri o olho pelas mesas, vendo se achava nós aí no meio, mas não. Todo dia eu olho essa foto e fico danado, pensando: será que a gente ainda vai chegar ou será que a gente já foi embora? Vou morrer com essa dúvida. De qualquer forma, taí o testemunho: foi nesse lugar, nesse dia, tá fazendo 25 anos, hoje. Ali do lado da banca, tá bom pra você?" 
Antônio Prata

antonioprata.folha@uol.com.br
Fonte do texto: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/112455-recordacao.shtml
Fonte da imagem: alichiara.blogspot.com

13 de junho de 2013

Projeto Debate Bola

      Saudações esportivas, turminha que acompanha o blog Diário Virtual de Leitura!


      A pouco mais de dois dias para o início da Copa das Confederações e a um ano da Copa Mundial, os alunos dos 3ºs anos da EEEP Elsa Mª Porto Costa Lima apresentaram nesta semana o Projeto Debate Bola sobre os grandes eventos esportivos que serão sediados no Brasil sob a orientação dos professores Marília Costa (Língua Portuguesa) e Reginaldo Sena (Educação Física).
     O projeto teve como principal objetivo confrontar opiniões e pontos de vista sobre dez temas que envolvem estes eventos, entre eles destacamos a infraestrutura, a mídia, a segurança, a qualificação profissional entre outros pontos que foram discutidos pelos alunos em um clima de aprendizado significativo e troca de conhecimento.
      A atividade também possibilitou o diálogo entre as disciplinas envolvidas através do tema dos eventos esportivos mundiais que acontecerão no Brasil, associando-o aos conteúdos programáticos das respectivas disciplinas. 
       






Professor Reginaldo Sena orientando a turma de Informática antes do debate.





Momento de concentração e preparação da turma de Hospedagem.







As alunas Bruna e Naiara da turma de Hospedagem entram em campo para debater os temas em estudo.




Descontração geral com a turma de Hospedagem no fim do debate.


A turma de Finanças também se concentrou antes de entrar em campo para debater como os eventos esportivos poderão beneficiar o país.





Carlos Henrique e Leandro da turma de Finanças mostraram-se super concentrados no momento do debate.




Neuliane e Werlesson da turma de Finanças capricharam na exposição do tema.




A participação da plateia foi de suma importância para o exercício da oralidade ,além de motivar o nível de argumentação dos debatedores.




Os alunos da turma de Enfermagem trocam informações e recebem as instruções do professor Reginaldo para melhor desenvolverem o debate.




Pode-se dizer que a turma de Enfermagem estava realmente no clima do trabalho, que despertou em todos os envolvidos a vontade de vestir a camisa verde e amarela e torcer pelo Brasil.



A postura corporal e a oralidade foram fundamentais para a apresentação dos temas, além é claro do domínio do conteúdo, peça chave na exposição dos alunos.

12 de junho de 2013

"À quoi ça sert l'amour?"

      Saudações afetivas, turma que se apaixona e acompanha o blog Diário Virtual de Leitura!
      Hoje é o dia dos Namorados aqui no Brasil e como até o próprio Google mudou o logotipo em seu site de buscas nesta quarta-feira em homenagem a este dia com a imagem das personagens Cebolinha e Mônica abraçados em meio às letras que compõem a palavra Google ( veja clicando aqui), o blog não poderia deixar a data passar em branco. 
    Nosso registro é feito em forma de vídeo animação da música "À quoi ça sert l'amour?" de Edith Piaf que retrata as várias facetas do relacionamento a dois que inicia com o namoro. Independente de ser uma data comercial o Dia dos Namorados é uma data que acima de tudo celebra o Amor entre duas pessoas.

 fonte: http://www.youtube.com/watch?v=1ZsvKhTNgc0

    O blog Diário Virtual de Leitura deseja a tod@s os seus seguidores e visitantes um inesquecível Dia dos Namorados!

*À quoi ça sert l'amour ?: tradução Para que serve o amor?

11 de junho de 2013

Luz, Câmera e Autores em Ação!




Saudações, galerinha que acompanha o blog Diário Virtual de Leitura!
É com muita satisfação que este espaço virtual registra esta semana o Projeto Autores em Ação! realizado pelas turmas dos 1ºs anos da EEEP Elsa Mª. Porto Costa Lima sob a orientação da professora de Língua Portuguesa Josélia Pereira e coorientação da professora de Sociologia Lúcia Helena Oliveira.
Quem teve a oportunidade de prestigiar as apresentações no auditório da escola pode se encantar  com as peças teatrais baseadas nas obras literárias da literatura brasileira entre elas destacam-se obras do cearense José de Alencar, como Iracema, Lucíola, Helena, O tronco do  Ipê ,entre outras.
Num total de dezesseis obras, os alunos de maneira lúdica e artística reproduziram o enredo das narrativas, que encantou e motivou a plateia composta de professores, alunos e funcionários da escola. O projeto tem como objetivo transformar jovens em multiplicadores da literatura brasileira. 
A plateia composta pela comunidade escolar foi o termômetro de aprovação da atividade, pois se constatou que a releitura realizada pelos alunos-atores transformou a visão distorcida que se tinha até certo tempo de que as obras clássicas são  de impossível compreensão ou que a temática das narrativas mantém uma relação distante da sociedade atual.
Veja a seguir algumas fotos do projeto, para mais fotos acesse nossa página Fotoblog@ndo. 





5 de junho de 2013

“Quem conta um conto, aumenta um ponto.”




Salve, salve, turma que acompanha o blog Diário Virtual de Leitura!
É com muita satisfação que registramos hoje mais uma postagem de muitas que virão em parceria mais que especial com a professora Josélia Pereira da Silva e seus alunos do 2º ano do curso de Finanças da EEEP Elsa Mª. Porto Costa Lima em nosso espaço de interação e aprendizagem através da internet.
A postagem marca a criação da página no blog intitulada “Quem conta um conto...” que tenta responder a frase sempre aumentando um ponto, pois os alunos, juntamente com a professora orientadora do projeto, escreveram contos com temáticas orientadas que ilustrarão o espaço central do Diário Virtual como também serão leituras constantes na página criada especialmente para tal fim.
Vale relembrar que o conto é um texto narrativo centrado em um relato referente a um fato ou determinado acontecimento. Sendo que este pode ser real, como é o caso de uma notícia jornalística, um evento esportivo, dentre outros. Podendo também ser fictício, ou seja, algo resultante de uma invenção.
Segundo Ana Paula de Araújo no site Infoescola, a partir do adágio popular que motivou a criação do nome da nossa página: “Quem conta um conto, aumenta um ponto”, diz que foi dessa forma que esse tipo de texto surgiu. Não sendo por acaso seu nome, o conto teve início junto com a civilização humana. As pessoas sempre contaram histórias, reais ou fabulosas, oralmente ou através da escrita. O conceito de conto, hoje em dia, foi ampliado em relação a este citado acima. Isto se dá porque escritores passaram a adotar esse tipo de texto como uma forma de escrever, e essa tentativa tem sido promissora. Além de utilizar uma linguagem simples, direta, acessível e dinâmica o conto é a narração de um fato inusitado, mas possível, que pode ocorrer na vida das pessoas embora não seja tão comum.
O texto a seguir é consequência de um projeto fundamentado em gêneros textuais, na orientação teórica, no desenvolvimento (acompanhado) e na prática contínua da escrita. A temática abordada é focada na cidadania e o seu papel no meio social.

Obra do destino
            O sol nascia lindo para os pequenos moradores da cidade de Ninai. Com o clarão, eles acordavam prontos e dispostos a continuar os afazeres do cotidiano. Entre todos eles, existia um especial, Júnior, um pequeno cidadão órfão de 13 anos, que ralava muito para se manter vivo naquela cidade. Todas as manhãs, ele acordava cedo para trabalhar com seu velho e pequeno violão.
            Um dia muito exausto daquela vida, decidiu pedir ajuda a um grande homem, rico e de expressão rude que via todos os dias, conhecido como Querêncio, o grande prefeito daquela pequeníssima cidade. E...

Então, galerinha leitora e seguidora do blog, quer para saber o desfecho deste conto? Aceite o convite de viajar no mundo do “faz de conta” dessa turma criativa, vá até a página “Quem conta um cont@...” e descubra o desenrolar da trama. Ah! Não se esqueça de registrar em seu comentário suas impressões.
Boa leitura a tod@s!

4 de junho de 2013

Que marcas você quer deixar no planeta?



      Oi, turma que segue o blog Diário Virtual de Leitura!


    O mundo comemora esta semana, dia 5 de junho, o Dia Mundial do Meio Ambiente. Neste dia o homem renova seus votos de cuidados com a intenção de que a natureza poderá se recuperar dos danos sofridos pela ação humana.
     E para testar o tamanho do dano que você, eu e todos nós temos causado ao planeta, o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) colocou na internet um quiz que calcula quantos planetas Terra seriam necessários se todas as pessoas do mundo tivessem os mesmos costumes que você.
     Só por curiosidade: de acordo com a WWF, se o padrão mundial de estilo de vida fosse o das classes A e B, três Terras seriam necessárias. Hoje a população mundial já consome um planeta e meio, daí os desequilíbrios ecológicos. E se a humanidade continuar com os hábitos que tem hoje, em 2030 poderá haver um colapso ambiental.
     E então, que marcas você quer deixar no planeta? Faça o teste no site Pegada Ecológica acessando o link : http://www.suapegadaecologica.com.br

Seguidores